segunda-feira, 31 de agosto de 2009

SABER

Na vida não é importante saber.

Basta ter o telefone de quem sabe.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

CITAÇÕES IX

"A Natureza deu ao homem uma língua, mas duas orelhas, para que ouçamos os outros duas vezes mais do que falamos."

Epiteto, filósofo estóico grego

terça-feira, 5 de maio de 2009

EUROPA SATÍRICA

Brilhante mapa satírico da Europa da Grande Guerra.

Mapa satírico da Europa moderna.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

CITAÇÕES VIII

"O cinema é como a vida, só que com as parte chatas cortadas."

Alfred Hitchcock

quinta-feira, 19 de março de 2009

CITAÇÕES VII

"O que mais me custa é estarmos a treinar uma geração de jovens a dar tiros. É tão fácil. Temo que levem o resto da vida assim."

Amílcar Cabral,
líder independentista africano

quarta-feira, 4 de março de 2009

CRISE PARA TOTÓS

Para quem acha que a crise é demasiado complicada de entender.


The Crisis of Credit Visualized from Jonathan Jarvis on Vimeo.

CITAÇÕES VI

"Estatística é a arte de espancar os números até que eles confessem."

Millôr Fernandes

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

SUGESTÃO DA CASA

Desde o Sudoeste do ano passado que isto faz parte da minha banda sonora regular. É bastante bonzinho. A banda são Os Pontos Negros, a música é o Conto de fadas de Sintra a Lisboa.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

CITAÇÕES V

"O primeiro [homem] que, tendo cercado um terreno, arriscou-se a dizer: «isto é meu», e encontrou pessoas bastante simples para acreditar nele, foi o verdadeiro fundador da sociedade civil."

Jean-Jacques Rousseau

sábado, 20 de dezembro de 2008

CITAÇÕES IV

Entrevistador - "O que acha da democracia ocidental?"
Ghandi - "Acho que seria uma excelente ideia."

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

A QUEDA DO GATO

Os gatos têm 7 vidas, espero.

Durante muito tempo no Gameirices optámos por não pôr vídeos do Gato Fedorento. Era aquilo que toda a gente conhecia e que queria ver, que ocupava os posts de 90% da blogosfera pouco interessante, que nos entrava por todos os lados (Internet, rádio, televisão, publicidade, livros, jornais e revistas). Hoje, no entanto, por iniciativa de DGC, pusemos o primeiro vídeo mainstream do Gato com um dos mais conhecidos sketches deles. E teve de ser.

Na minha opinião o GF é a mais perfeita e mais interessante revolução no humor que aconteceu em Portugal desde há muitos, muitos anos. Há o Herman, é certo, mas há muito que passou de argumentista/ator, para só ator, e depois para apresentador de televisão. Não escreve o que interpreta. E o que para ele escrevem está provado e mais que provado que com Herman nunca funcionará tão bem como funcionava nos seus tempos áureos. A prova maior disso foi quando durante algum tempo Ricardo de Araújo Pereira, Miguel Góis, Tiago Dores e Zé Diogo Quintela escreveram para este, e foi muito fraquinho. É interessante também ver que é exatamente nesta altura que os Gatos se formam e começam os seus sketches interpretados por si mesmos na SIC Radical. Será que guardavam o melhor material para si?

As séries Fonseca, Meireles e Barbosa foram uma lufada de ar fresco. Humor dissossiado de acontecimentos, quase intemporal, sem referências a pessoas, com personagens sempre com o mesmo apelido. Humor puro e simples, cheio de nonsense e de ideias nunca vistas, de tiques de linguagem reveladores de uma crítica disfarçada à própria sociedade. À falta de meios juntava-se muita vontade de fazer algo diferente, pouco importados com as audiências ou sobre se há manisfestações de professores ou se Manuela Ferreira Leite tem um novo penteado.

Depois veio a fama, o desligar com a SIC, e a ida para a RTP. A série Lopes da Silva veio acrescentar o dinheiro que faltava às anteriores séries. Mais adereços, melhores cenários, melhor som, imagem, makeup, etc. A qualidade manteve-se alta. As audiências é que não foram espetaculares. Porquê? O fenómeno Gato não era até aí um fenómeno de audiências, nunca o foi nem nunca poderia ter sido na SIC Radical. Não sei os números da altura, mas um programa do cabo nunca geraria audiências consideráveis. O dia a que passava a série Lopes da Silva na RTP1 era a quinta-feira à noite, o que não ajuda. Sendo os jovens o grupo-alvo daquele tipo de programas, a quinta e a sexta são dias fatais para uma série daquelas.

Cansados do tipo de humor das 4 séries que os haviam catapultado para o horário nobre da televisão pública, publicidade e todo o tipo de publicações, decidiram mudar. É sempre bom fazer uma pausa, claro. Experimentar é arriscado, mas diversificar por vezes é bom. Na altura em que o Gato decidiu fazer um programa género talk-show, com sketches pré-gravados e com o objetivo de comentar a atualidade achei que era um passo atrás. Ou, para dizer a verdade, aceitei de bom grado o que quer que fizessem conquanto voltassem depois de uma ou duas séries de Diz que é uma espécie de magazine às séries nonsense e apenas feitas de sketches. Ri-me muito, é certo: imitações (Paulo Bento, Scolari, Sócrates), tesourinhos deprimentes e momentos musicais estão na cabeça de todos. E a proporção de sketches hilariantes não estava assim tão longe da proporção encontrada nas séries Fonseca, Meireles, Barbosa e Lopes da Silva. Mas não era o Gato Fedorento. Era aquilo que o Gato fazia por fora, e sempre fez: ou no seu blogue ou nas críticas de RAP na Visão; mas não era aquilo que era bom no GF na televisão. Uma mistura de Herman Enciclopédia com Contra Informação já não era original. A força do Gato no ecrã é inegável: há até quem defenda que fazem política e que ser gozado num sketch qualquer destes senhores é mais destrutivo que uma qualquer boca mandada da bancada parlamentar oposta ou que uma crítica insípida de Marcelo Rebelo de Sousa. Mas com muita força que tenha ou não na altura, este humor desaparece. Tenho os 3 DVD do GF que saíram, mas nem sequer considerei a hipótese de comprar os 2 de Diz que é uma espécie de magazine. Para quê? Daqui a 2 anos, 1 ano ou seis meses nem me vou lembrar da razão de ser da maioria das piadas! Fernando Santos no Benfica, Marques Mendes no PSD são coisas que já foram. Tiveram a sua piada, mas já foram. Enquanto que sketches como A santa que dá bufas ou O meu filho é uma jóia de moço tiveram graça na altura, teriam em 1985, e terão em 2030.

Hoje o Gato com o seu Zé Carlos não passa de uma lengalenga: Sócrates, muitas palmas, Magalhães, muitas gargalhadas, Ferreira Leite, conversa de chacha entre os 4, Paulo Bento, tesourinho deprimente, uma música (onde se mantém ainda alguma da veia nonsense, vá lá) e fim. Eu rio-me, não vou mentir. Mas cada vez menos, e isso é preocupante.

Assim, aceitei de bom grado a iniciativa de DGC no Gameirices, de de volta e meia publicar um sketch antigo do Gato. É bom lembrar que esta malta já fez coisas brilhantes, e que hoje só faz coisas engraçadas. E eu que ando meio distraído, ainda vou vendo umas coisas d'Os Contemporâneos na net (dão à quinta-feira, por isso é impossível ver na televisão) que apesar de tudo lá vão inovando de vez em vez. Quanto chega o domingo, já não dá aquela vontade de dantes e não são raras as vezes que salto o Gato para fazer outra coisa.

Estava a faltar uma petição daquelas feitas na net...

Bem, esperemos que caiam como verdadeiros gatos, e subam rapidamente a outro telhado, que este já deu o que tinha a dar.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

O GRITO

Um dos meus quadros preferidos. Não sou grande conhecedor de pintura, mas este quadro... sim senhor. É de um pintor relativamente pouco conhecido: o norueguês Edvard Munch (pronuncia-se mungk), que viveu de 1863 a 1944. Simbolista, e acima de tudo expressionista, O Grito foi o seu quadro mais conhecido. Representa uma figura em agonia, espanto ou desespero numa doca portuária, com um céu laranja de fundo.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

RESPOSTA A DESAFIO

Aqui segue a resposta ao desafio lançado por António Sengo no seu blog que ainda não percebi bem se se chama Alter-Ego Crónico ou Revogável.

As regras do desafio são simples: colocar um fotografia nossa; escolher uma banda/artista de eleição; responder a 10 perguntas com títulos de músicas dessa banda/artista; e desafiar 4 outros compinchas com blogues para passarem o desafio a outros.

Sou o de azul.

Banda: The Beatles

1) És homem ou mulher? I Wanna Be Your Man

2) Descreve-te: Let It Be

3) O que as pessoas acham de ti? Johnny B. Goode

4) Como descreves o teu último relacionamento: Yesterday

5) Descreve o estado actual da tua relação: Hello, Goodbye

6) Onde querias estar agora? Here, There and Everywhere

7) O que pensas a respeito do amor? All You Need Is Love

8) Como é a tua vida? Twist and Shout

9) O que pedirias se pudesses ter só um desejo? Every Little Thing

10) Escreve uma frase sábia: Everybody's Got Something to Hide Except Me and My Monkey

Convido a Participar no Desafio:
Duarte Gouveia Coutinho: http://gameirices.blogspot.com/
António Veiga: http://gameirices.blogspot.com/
Sara Pinto da Silva: http://contemplacoesdoacaso.blogspot.com/
Mariana de Almeida e Silva: http://themariland.blogspot.com/

PS - Entretanto, foi-me já comunicado que o nome do blogue de António Sengo é mesmo Alter-Ego Crónico podendo ser encontrado em http://revogavel.blogspot.com

terça-feira, 30 de setembro de 2008

MOLAS DA ROUPA

O Verão acabou, ficam fotografias como esta. Ideia engraçada dum amigo. Dores não tão engraçadas no couro cabeludo. Notas: pulseira do Sudoeste no pulso esquerdo. Foi muito bom.

AMIZADE

Se para ser feliz tivéssemos de chegar a um terraço, os amigos seriam andaimes.